11 viram réus por ingressos da copa

0

O juiz Marcello Rubioli, do Juizado do Torcedor e dos Grandes Eventos, aceitou a denúncia do Ministério Publico contra 11 acusados de vender ilegalmente ingressos da Copa do Mundo em 2014. Uma audiência de instrução foi marcada para 10 de agosto.

Entre os réus está Mohamadou Lamine Fofana, considerado o chefe da quadrilha internacional de venda ilegal de ingressos. De acordo com o juiz, Raymond Whelan, executivo de uma empresa ligada à Fifa, a Match Services, havia sido incluído na denúncia do Ministério Público, mas as acusações contra ele foram arquivadas pela 6ª Câmara Criminal em 2014. O Ministério Público já adiantou que vai recorrer da decisão.

De acordo com a Globonews, Ozeas Nascimento funcionava como um relações públicas da quadrilha. Ele quer chamar como testemunhas de defesa o ex-presidente da FIFA, Joseph Blatter, e José Maria Marin, ex-presidente da CBF e atualmente preso na Suiça.

Mas antes de aceitar esse pedido, o juiz determinou que os advogados expliquem a necessidade dos depoimentos desses executivos, já que um mora na Suíça e o outro está preso na Suíça.

Também foram ram denunciados Alexandre da Silva Borges, o “Xandy”; Antonio Henrique de Paula Jorge, “Pará”, “Patrão” ou “Jogador”; Marcelo Pavão da Costa Carvalho, o “Caju”; Sergio Antonio de Lima, o “Serginho”; Julio Soares da Costa Filho; Fernanda Carrione Paulucci; Ernani Alves da Rocha Junior, o “Junior”; Alexandre Marino Vieira e José Massih. Todos vão responder por cambismo, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e corrupção ativa.

Ao todo, 12 pessoas foram presas na operação da Polícia Civil, batizada de “Jules Rimet”. Destes, apenas o CEO da Match, única empresa autorizada a vender ingressos para a Copa, está em liberdade, graças a um habeas corpus.

“Consta dos autos que a organização criminosa foi constituída para reiteradamente, desviar, fornecer e facilitar à distribuição a terceiros, ingressos de evento esportivo (Copa do Mundo de 2014), para venda por preço superior ao estampado no bilhete, cujas penas variam de 02 (dois) a 04 (quatro) anos de reclusão e multa”, diz um trecho da decisão. Em outro trecho, o juiz afirma que o grupo chegava a vender um único ingresso por R$ 25 mil.

Os acusados conseguiam ingressos através da Sociedade Empresária Match Ser-vices AG e Match Hospitality, jogadores de futebol ou seus agentes de seleções participantes do evento esportivo, que têm uma cota preestabelecida pela entidade responsável pela organização do evento. De acordo com a decisão, a Confederação Brasileira de Futebol possuía alguém de dentro da entidade que também desviava as entradas-. Foram desviados também ingressos do fundo Governamental destinado a ONGs e escolas.

Os encontros aconteciam nos hotéis Copacabana Palace e o Radisson da Barra da Tijuca. Durante o processo, foi possível constatar mais de 900 ligações telefônicas entre Whelan e Fofana, com inúmeras vendas ‘por debaixo dos panos’ de pacotes de hospitalidade e bilhetes VIP’s, através de pagamento à vista e em dólar. Foi comprovado, através de escutas, que numa única venda o acusado faturou U$ 600 mil, o equivalente a R$1,4 milhões.

Fonte: G1

Campartilhe.

Sobre o Autor

Deixe Um Comentário

Copyright © 2003 - 2017 - Portal Folha do Valentina Notícias - Rádio, TV Jornal Jampa Notícias - TV JAMPA - Petrúcio Prado